top of page
Buscar
  • Foto do escritorDiogo Braga Crônicas

BILHETE PARA MINHA FILHA (Crônica n° 64)

Atualizado: 3 de nov. de 2021

Filha, outro dia você estava quase dormindo na cadeirinha do carro. Nós não podíamos deixar você dormir, eram 5 horas da tarde e se dormisse atrapalharia o seu sono da noite e consequentemente o nosso também. (Quem é pai e mãe sabe.) Então eu apontei pra fora da janela e gritei: “Um dinossauro enorme passando!” Você acordou assustada, olhando frenética pela janela procurando o dinossauro. Sua mãe falou “Que pena... ele foi embora.” (Sim. Sua mãe é cumplice.) Desculpa. Sempre te ensinamos que mentir é feio, mas naquele momento era mentir ou passar a madrugada inteira acordado com você. Pelo bom sono sacrifiquei a verdade. Mas que isto seja lição para a vida. As vezes mentimos, mesmo sem querer, as vezes somos obrigados e sempre mentem para nós. O dinossauro (da mentira) sempre estará por ai.


27/02/2021 (Crônica n° 64)

Diogo Braga Crônicas




Crônicas em podcast, Spotify (Braga Crônicas), Instagram (@DiogoBragaCronicas) e Youtube (Braga Crônicas). Medium (@bragacronicas).



--- E se você se identificou ou gosta das histórias que eu conto, comenta, salva, compartilha, se inscreve, ativa as notificações, mostra pro coleguinha, faz tudo e me ajuda a espalhar a palavra! E se você quer compartilhar uma história sua comigo, me manda um e-mail para bragacronicas@gmail.com ou me envia um áudio pelo direct do instagram que é @diogobragacronicas.


No mais, meus votos de uma vida com gosto de açúcar nos lábios e até a próxima!


Diogo Braga.

0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

TODO GATO É MALVADO (Crônica n° 82)

“Todo gato é malvado!” Tento incutir na cabeça da minha filha de 4 anos. “Não é não, gato é bonzinho” ela responde me dando língua. É inocente quem pensa que os pais têm o poder absoluto de moldar a

TRADIÇÃO DE DIOGOS (Crônica n° 81)

Na minha família há uma tradição de Diogos. No caso, o nome mesmo. E meu pai, de nome Diogo, em um momento de curiosidade, contou, fez uns telefonemas para os familiares, primos próximos e distantes e

UVAS DESCOBRIDORAS (Crônica n° 80)

Comendo uvas, estava eu jogado e embriagado de sono na mesa do café. O pote de sorvete à minha frente, sem sorvete, apenas um cacho onde em cada gravetinho morava uma uva verde e eu, aleatoriamente, p

תגובות


bottom of page